A CAESB  ressalta que, apesar da segurança hídrica,  a população tem papel fundamental na economia de água

(crédito: Luana Patriolino/CB/D.A Press)
(crédito: Luana Patriolino/CB/D.A Press)

O cenário dos principais reservatórios de Brasília mudou completamente nos últimos meses. Quem passa pela BR-070 fica admirado com o paredão de água abundante que forma uma espécie de cachoeira. A barragem do Descoberto — que abastece 64% da população do Distrito Federal — está com nível a 100%, desde 15 de fevereiro.


A cheia é uma garantia de que não faltará água durante o ano, ao contrário do que aconteceu na crise hídrica de 2017. No auge do racionamento no DF, o reservatório chegou à porcentagem de 5,3% (7 de novembro de 2017). Segundo dados da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa), a máxima desse período foi de 56,4%, bem diferente dos números atuais, que vêm crescendo ano a ano. 


Em 2018, a mínima foi de 30,5% e a máxima, 100%. Já em 2019, os números ficaram em 61,1% e 100%, respectivamente. Os níveis de 2020 cresceram ainda mais: 74,9% (mínimo) e 100% (máximo). Este ano, de acordo com a Adasa, o menor percentual foi registrado em 2 de janeiro: 81,8%.


O reservatório de Santa Maria/Torto começou a verter em 14 de fevereiro. No ano passado, o evento ocorreu no fim do mês de fevereiro. Já em 2019, começou apenas em maio. Com nível a 97%, o Santa Maria é responsável por 27% do abastecimento do DF.

O mês de fevereiro bateu recorde de chuvas na capital. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) apontou que o acumulado para o mês é o maior desde 1962. Apesar da abundância, é importante alertar a população para o uso consciente da água, pois o volume usado por cada morador pode impactar diretamente no abastecimento à população, tendo em vista que o período de chuvas no DF deve demorar a retornar.


fonte: Correio Braziliense